Engajamento e uniformidade!

Estar atento às iniciativas dos nossos pares é fundamental para mantermos a excelência dos nossos trabalhos, pois, por essência, trabalhamos com planejamento. A busca por um caminhar cada vez mais engajado foi a grande motivação para criarmos este espaço de difusão das nossas providências aos membros dos Comitês PCJ.

O avançar de cada Câmara Técnica, de cada Grupo de Trabalho, o andamento geral de temas globais, merecem ser vistos por todos, para motivação conjunta e também para a convergência dos trabalhos. Acompanhe periodicamente nesta newsletter os acontecimentos dos Comitês PCJ e boa leitura!

| DESTAQUES

Eleições dos Comitês PCJ contam com 44 entidades aptas a participar

Processo eleitoral avançou nesta semana, com a realização de mais uma etapa

13 de janeiro de 2023

As eleições dos Comitês PCJ para o biênio 2023-2025 contarão com 44 entidades participantes, entre usuários e entidades representativas de usuários de recursos hídricos e organizações civis (…)

Comitês PCJ aprovam Plano Orçamentário de R$ 34 milhões para as Bacias PCJ em 2023

Valor é referente ao investimento em 79 ações em diversas áreas

07 de dezembro de 2022

Os Comitês PCJ aprovaram o Plano de Execução Orçamentária Anual das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (POA-PCJ), para o exercício 2023, estimado em cerca de R$ 34 milhões (…)

| ÚLTIMAS

Chuvas de verão elevam para 55,1% nível de reserva do Sistema Cantareira

Tema foi debatido durante a 238ª Reunião ordinária da Câmara Técnica de Monitoramento Hidrológico

03 de fevereiro de 2023

A condição de armazenamento do Sistema Cantareira, em52,1% de reserva foi um dos temas debatidos durante a 238ª Reunião ordinária da Câmara Técnica de Monitoramento Hidrológico. O encontro foi realizado na manhã de sexta-feira, 03 de fevereiro de 2023, a ocorreu no auditório do Museu da Água de Piracicaba, e marcou a primeira reunião presencial do ano desta Câmara Técnica. Na ocasião os membros debateram a situação dos mananciais da região das Bacias PCJ, bem como as condições hidrometeorológicas das Bacias PCJ.

Logo no início dos trabalhos foram detalhados os dados do Sistema Cantareira que está com 55,12% o nível de armazenamento de água, enquadrado como nível de Atenção. A título de comparação, há um ano o nível era de 35,17%. O Q nat é de 129,96 m³/s; Qps de 0 m³/s; V.U 50,89%; e o Q Jus de 0,50 m³/s. O Sistema Integrado da RMSP em 2023 é de 60,9%, sendo em 2022 em 51,1%.

Rafael Leite, engenheiro da Sala de Situação PCJ informou sobre os dados de vazão e chuvas em janeiro de 2023 e as perspectivas futuras. Ele apresentou o mapa de anomalia de precipitação do CPTEC que indica que nas cabeceiras do Sistema Cantareira houve chuva na media, com episódios pontuais de anomalias para cima. Mais à jusante houve chuvas dentro da normal climatológica, como em Campinas, Valinhos e Paulínia. Situação semelhante ocorreu na região de Piracicaba com ocorrência de precipitações acima da normal climatológica. A exceção ocorreu em Minas Gerais, no sul do Estado, que registrou chuvas muito acima da média esperada para este período do ano, conforme informou Leite.

Os destaques apontados pelo engenheiro da Sala de Situação PCJ são: Em janeiro, 14 estações registram acumulados acima ou muito próximos a media climatológica; no âmbito das Bacias PCJ os acumulados de chuva variaram especialmente com registros de acumulados acima e abaixo da média histórica; predomínio de chuvas intensas e de curta duração; o maior evento de cg=chuva contabilizada em 24 horas ocorreu no dia 13 e 14 de janeiro, na região da estação Rio Corumbataí (Semae/Piracicaba), com a ocorrência de 135,25mm. Por fim, na sub-bacias do rio Piracicaba foram registrados os maiores acumulados do mês.

Por sua vez, Jorge Mercanti, coordenador do GT-Previsão Hidrometeorológica destacou em sua fala os dados relacionados a previsão para o tempo e o clima na região das Bacias PCJ. “As chuvas foram distribuídas de forma não uniforme. Quando tem uma frente fria sobre os continentes ocorre uma distribuição mais uniforme das chuvas, mas não é o que ocorre neste período. Para a região de Campinas, há alta possibilidade dede muita chuva a partir do dia 8 de fevereiro. Tem ventos trazendo umidade da Amazonia, o que significa instabilidade nos próximos dias”, disse. Mercanti continuou sua análise e apresentação. “No acumulado, até dia 10 de fevereiro existe a previsão de até 125mm de chuva. Mas antes disso podem ocorrer chuvas volumosas também, especialmente a partir do dia 6 de fevereiro”, afirmou.

 Ao término do encontro foi informado que a próxima reunião ordinária da CT-MH ocorrerá em 6 de março de 2023, por meio de videoconferência.

CT-ID debate Influência das Barragens de Rejeitos nos cursos d’água à jusante

Assunto foi um dos itens de pauta da 102ª Reunião Ordinária

20 de janeiro de 2023

“Influência das Barragens de Rejeitos nos cursos d’água à jusante, usando o caso da Barragem de Brumadinho”. Este foi um dos temas discutidos durante a 102ª Reunião Ordinária da Câmara Técnica de Integração e Difusão de Pesquisas e Tecnologias (CT-ID). O encontro aconteceu na manhã desta sexta-feira, dia 20 de janeiro, por videoconferência.

A apresentação foi feita pela coordenadora adjunta da CT-ID. Dafne Correa, com base em seus trabalhos de conclusão de curso elaborados durante pós-graduação na Fumep (Gerenciamento de Recursos Hídricos), voltado para a bacia hídrica como um todo, e na Unesp (Gestão de Recursos Hídricos e Gerenciamento de Áreas Contaminadas), voltado para a contaminação gerada após o rompimento da barragem. “Foi uma experiência muito incrível. Eu só tenho a agradecer tudo o que a CT-ID e o PCJ me concederam”, comentou Dafne.

Na reunião, houve também a apresentação sobre “Inovações no monitoramento da saúde aquática: o potencial do DNA metabarcoding como ferramenta prática, barata e participativa”. A palestra foi proferida por Pedro Miguel Pedro, do IPÊ (Instituto de Pesquisas Ecológicas). Metabarcoding é o código de barras de DNA/RNA de uma maneira que permite a identificação simultânea de muitas taxas dentro da mesma amostra, no caso, de macroinvertebrados.

Na ocasião, os membros da CT-ID também debateram sobre uma devolutiva do Evento IV Sustentare & VII WIPIS, realizado de forma on-line em novembro de 2022. O Sustentare – Seminários de Sustentabilidade da PUC-Campinas – e WIPIS – Workshop Internacional de Pesquisa em Indicadores de Sustentabilidade e Gestão de Recursos Hídricos (IVSustentare e VII WIPIS) é um evento científico realizado em colaboração sinérgica de três instituições: PUC-Campinas, por meio do Programa de Pós-Graduação em Sustentabilidade (PPGS); Escola de Engenharia da USP de São Carlos, por meio do Programa de Pós-Graduação em Rede Nacional para Ensino das Ciências Ambientais e do Programa de Pós-Graduação em Hidráulica e Saneamento;  e Comitês PCJ, por meio do Grupo de Trabalho Indicadores e Monitoramento,  da CT-ID., com o apoio da Agência das Bacias PCJ.

Segundo um dos organizadores, o professor Orandi Falsarella, da PUC-Campinas, foram três dias de evento, com palestras e mesas redondas e apresentações de 254 trabalhos científicos, com 6.049 inscritos, cerca de 300 % de aumento em relação ao ano anterior. “A gente não imaginava que ia chegar a esse número. A abrangência do evento foi muito grande”, ressaltou Falsarella. “É uma iniciativa que deu certo”, comentou o coordenador da CT-RN, João Demarchi, que também é um dos organizadores. “A gente não tem conhecimento de outro evento, mesmo on-line, que tenha conseguido esse número de participantes”, destacou o professor Duarcides Mariosa, da PUC-Campinas, que falou sobre o planejamento do Sustentare/Wipis para 2023.  “Parabéns ao trabalho de vocês. Que o evento cresça cada vez mais”, concluiu Dafne.

No encontro houve ainda, a aprovação de novo membro na Câmara Técnica: a Prefeitura de Analândia, representada por Wlademir Schalch Junior (titular) e Leandro Eduardo Santarpio (suplente).

CT-MH: Sistema Cantareira tem 47% de índice de reserva

Dados hidrometeorológicos preveem chuvas dentro da média para o trimestre afastando a possibilidade de seca

12 de janeiro de 2023

Foi realizada na manhã de quinta-feira, 12 de janeiro de 2023, a 237ª Reunião Ordinária da Câmara Técnica de Monitoramento Hidrológico (CT-MH). O encontro ocorreu por meio de videoconferência e teve na pauta temas como a análise da situação dos mananciais; , Sistema Cantareira; ocorrências registradas durante o mês de dezembro/2022; e uma apresentação da Sala de Situação PCJ: chuvase vazões; bem como as previsões meteorológicas.

Logo no início dos trabalhos foram informados os dados do Sistema Cantareira que encontra-se com 47,25%  de  reservação, enquadrando-o na faixa 2, de Atenção. Na mesma data em 2022,  o volume de armazenado era de 28,02%, portanto, o atual índice é de quase 20% superior. A vazão descarregada pra SP era de 25,11m³/s, e a vazão média capitada pela Sabesp era de 24,4 m³/s. O volume de descarrego para a RMSP é de 56,1%. A vazão descarregada do Cantareira para o PCJ está em 0,75m³/s. O último comunicado de transposição do Sistema Cantareira para o PCJ, datado de 27 de dezembro de 2022 constava: Cachoeira 0,25 m³/s; Atibainha 0,25 m³/s e Jaguari/Jacareí 0,25 m³/s.

Rafael Leite, coordenador da Sala de Situação PCJ no DAEE destacou os dados referentes ao último mês de 2022. “Dezembro foi um mês com chuvas bem generosas. Das 16 estações que temos anotações nos últimos dez anos, em praticamente todas o volume de precipitação superou a média da última década, especialmente na bacia dos rios Atibaia, Jaguari, Capivari e Jundiaí. isso muito por conta dos fenômenos climáticos característicos do verão”, afirmou.

Jorge Mercanti, coordenador do GT-Previsão hidrometeorológica informou os dados de tempo e clima. “Houve um deslocamento de umidade da região sul em direção ao sudeste. Em fotos de satélite do dia 10 de janeiro é possível observar uma coluna de umidade da região norte até o sudeste. Podemos notar ainda que os ventos do amazonas para são Paulo indicam chuvas sempre ao final do dia, com precipitações ainda mais fortes a partir do dia 17 de janeiro. Para este mês não teremos veranico e até o fim de janeiro teremos mais de 100mm de chuva nas Bacias PCJ. A previsão indica que o mar voltou a esfriar na costa do pacífico, e mantendo as águas frias. Quanto as chuvas, observamos que para a região das Bacias PCJ teremos chuvas na média, sem previsão de seca para o período de janeiro, fevereiro e março de 2023. Quanto aos dados do CPTec, mesmos dados, sem previsão de seca para o referido trimestre”, disse.

Representante da ANA na reunião, Roberto Moraes informou que o Semadem emitiu um comunicado recente. “Dentro das projeções, há um cenário em que pode-se fazer uma pressão na Sabesp. Outra questão é que o Paraíba do Sul não está em uma situação confortável, visto que o Sistema Bivalente está com 20% de índice de reservação”, relatou.

O segundo coordenador adjunto da CT-MH, Luis Filipe Rodrigues, informou a situação atual e projeção hidrológica para o Sistema Cantareira. “A simulação atua com diversos cenários, de chuvas muito abaixo da média, até bastante acima. Podemos ver que com chuvas dentro da média, teremos a previsão de chegar no final de março com 67% da capacidade. Se a chuva for 25% acima da média, chegaríamos numa reservação de 80% do SC. E se for 25% abaixo, teríamos um cenário de 53% de reservação. Lembrando que esses são dados que não consideram a transposição” disse. Ao término do encontro foi informado que a próxima reunião da CT-MH será realizada de forma presencial, em Piracicaba, no dia 03 de fevereiro.

CT-OL realiza última reunião ordinária de 2022

Encontro, promovido por meio de videoconferência, teve apresentações elogiadas pelos membros

16 de dezembro de 2022

A 99ª Reunião Ordinária da Câmara Técnica de Outorgas e Licenças, última reunião do ano desta CT, foi realizada por meio de videoconferência na sexta-feira, 16 de dezembro de 2022. Na pauta, temas como a apresentação da Simulação Climática para engajamento em ações climáticas no CBH-BG, bem como dos atos administrativos de direito de uso e dispensa do uso dos recursos hídricos do ano de 2022 e por fim a discussão da outorga e cadastro do uso da água subterrânea e as Portarias DAEE 1631/17 e a Portaria GM/MS 888/21.

A reunião foi conduzida por Ariana Rosa Damiano, Coordenadora Adjunta da CT-OL, que chamou para a primeira apresentação Elane Maria Farias de Carvalho (Instituto Federal Fluminense / Campus Avançado Maricá/CTEM), e Maria Teresa de Jesus Gouveia (CRBio-02/CTEM). Elas abordaram a Simulação Climática como ferramenta pedagógica de Educação Ambiental voltada para as Mudanças Climáticas no CBH-BG (Comitê de Bacia Hidrográfica da Baía de Guanabara e Sistemas Lagunares de Maricá e de Jacarepaguá). “Considerando o avanço da crise climática em todo o planeta e a diminuição de disponibilidade hídrica nos grandes centros urbanos; a realidade da gestão participativa e governança das águas que se faz premente, há a necessidade de inserir o tema mudanças climáticas na Educação Ambiental nos CBHs”, disse. Elane explicou a estratégia metodológica. “Esta prevê a Educação Ambiental sobre Mudanças Climáticas e Redução de Riscos de Desastres voltada para a gestão e governança das águas; processos formativos para membros do CBH Baía de Guanabara e de seus 6 Subcomitês conduzidos pela CTEM; utilização de Simuladores Climáticos (C-ROADS e En-ROADS) como Metodologia Ativa de Aprendizagem Parceria do Climate Reality Project Brasil com o CBH da Baía de Guanabara”, afirmou.

Na sequência Luis Alberto Ambrósio (Climate Interactive) fez uma apresentação prática da utilização da ferramenta Em-Roands, sendo muito elogiado pelos participantes. No item seguinte da pauta, Ariana Rosa Bueno Damiano (Daee), coordenadora adjunta da CT-OL fez uma apresentação dos atos administrativos de direito de uso e dispensa do uso dos recursos hídricos do ano de 2022.

Por fim, houve o debate da Outorga e Cadastro do uso da água subterrânea e as Portarias DAEE 1631/17 e a Portaria GM/MS 888/21. “Trata-se de uma relação das outorgas a partir da nova portaria de potabilidade do Ministério da Saúde. No PCJ a maior parte das outorgas são para poços de águas subterrâneas”, explicou Ariana.

CT-AS inicia organização do VII Workshop de Águas Subterrâneas

Evento está programado para o mês de novembro de 2023

15 de dezembro de 2022

A organização do VII Workshop de Águas Subterrâneas dos Comitês PCJ começou a ser discutida nesta quinta-feira, dia 15 de dezembro, durante a 77ª Reunião Ordinária da Câmara Técnica de Águas Subterrâneas (CT-AS). O encontro ocorreu por meio de videoconferência.

O evento está programado para outubro de 2023. Uma das sugestões para tema central é “Sustentabilidade e Resiliência Hídrica nas Bacias PCJ: Qual a real importância das Águas Subterrâneas?”. O workshop voltará a ser presencial, na UNESP (Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”), em Rio Claro. Um formulário será enviado aos membros da CT no início do ano que vem para contribuições e sugestões.

Na reunião, houve também a aprovação de novo membro da CT-AS, a Prefeitura de Santa Maria da Serra, com as representantes Alisangela Spigolon (titular) e Erica Aparecida Carmezini (suplente). A posse delas deverá ocorrer na próxima reunião, que será em 16 de fevereiro, em Jundiaí (SP).

Nos informes, a coordenadora da CT-AS falou sobre a elaboração do Termo de Referência para execução de estudos hidrogeológicos para a delimitação de áreas de restrição e controle nos municípios de Americana e Nova Odessa. O assunto foi discutido nas reuniões do GT-Controle. A versão final do TR foi encaminhada para a Agência das Bacias PCJ no dia 22 de novembro. A próxima etapa é a elaboração do edital. A contratação está prevista para 2023.  A reunião contou com a participação da coordenadora de Projetos da Agência das Bacias PCJ, Elaine Franco de Campos.

Sibele também falou sobre a reunião do GT-Integração no dia 24 de novembro, quando houve o acompanhamento dos Planos de Trabalho das Câmaras Técnicas dos Comitês PCJ. Uma das ações previstas no Plano das Bacias PCJ 2020-2035, sob a responsabilidade da CT-AS, é o desenvolvimento de banco de dados de poços e suporte à decisão. A elaboração do TR ainda não foi iniciada. A contratação está prevista para 2024. Os principais entraves referem-se ao detalhamento do escopo, além da integração para obtenção de dados e procedimentos junto aos órgãos gestores. “2023 vai ser estratégico para a gente estar discutindo essa ação”, ressaltou Sibele.

Outra ação é a implantação, integração, operação e manutenção da rede de monitoramento quali-quantitativo das águas subterrâneas.  As discussões ainda estão em estágio preliminar. A contratação também está prevista para 2024. Os principais entraves referem-se à disponibilização de pessoal especializado para suporte, detalhamento de prioridades e articulação institucional.

Outro assunto tratado por Sibele foi sobre uma reunião de alinhamento sobre um estudo do Aquífero Guarani, promovida pela SIMA (Secretaria de Estado de Infraestrutura e Meio Ambiente) em 7 de dezembro. A atividade envolveu nove comitês de bacias, entre eles os Comitês PCJ. Em breve será enviado um questionário aos membros.

Como foi a última reunião de ano, vários participantes se manifestaram com mensagens de final de ano. Sibele destacou a atuação da Coordenação de Apoio ao Sistema de Gestão dos Recursos Hídricos da Agência das Bacias PCJ. “Quero fazer um agradecimento especial para a Equipe da Secretaria Executiva, que possibilitou a realização de tudo isso”, concluiu.

CT-SAM lança 6º Seminário de Saúde Ambiental para 2023

Evento será no dia 27 de junho, na FT Unicamp, em Limeira

12 de dezembro de 2022

O lançamento do 6º Seminário de Saúde Ambiental dos Comitês PCJ foi definido nesta segunda-feira, dia 12 de dezembro, durante a 97ª Reunião Ordinária da Câmara Técnica de Saúde Ambiental (CT-SAM). O encontro ocorreu por meio de videoconferência e foi comandado pela coordenadora Roseane Maria Garcia Lopes de Souza (ABES-SP) e pela coordenadora adjunta, Cassiana Maria Reganhan Coneglian (FT/UNICAMP).

Conforme discussão dos participantes, o 6º Seminário deverá ser realizado no dia 27 de junho durante a 100ª Reunião Ordinária da CT-SAM, de forma presencial no anfiteatro da Faculdade de Tecnologia da Unicamp(Universidade Estadual de Campinas), em Limeira. Futuramente será montada uma comissão organizadora do evento.

Na reunião, também foi aprovado o Parecer Técnico 02/2022 da CT-SAM com Manifestação sobre a Portaria GM/MS nº 888/2021, com proposta de revisão do Plano de Amostragem da Qualidade da Água para Consumo Humano na Área Rural. O documento já foi aprovado na CT-Rural. Depois da aprovação na CT-SAM, o parecer será encaminhado à reunião do GT-Integração no dia 26 de janeiro, para depois ser apreciado na CT-PL, em março. Por conta desse item de pauta, a reunião teve a participação do coordenador da CT-Rural, João Baraldi.

Houve ainda apresentação sobre “Outorga e Cadastro, olhando a Portaria DAEE 1631/17 e a Portaria GM/MS 888/21”, com a coordenadora da Câmara Técnica de Outorgas e Licenças (CT-OL), Cecília de Barros Aranha, e a coordenadora adjunta Ariana Rosa Bueno. Elas falaram sobre como integrar a dispensa e/ou outorga pelo direito de uso dos recursos hídricos entre outros assuntos relacionados ao tema. “Muito boa essa integração entre as câmaras técnicas. A gente só aprende”, ressaltou Roseane.

No encontro, também teve apresentações sobre Planos Municipais de Segurança da Água nas Bacias PCJ, nas quais foram expostos os casos de Campinas, por Diego de Oliveira Pinto (Sanasa);  de Jundiaí, por Danilo Resende de Moraes (DAE Jundiaí),  dos municípios com gestão da BRK Ambiental, por Francielly Moreira e de Santa Bárbara d’Oeste, por Claudoaldo Viana dos Santos (DAE Santa Bárbara d’Oeste). “As apresentações foram brilhantes. Parabéns a todos”, observou Roseane.

Os membros da CT-SAM ainda aproveitaram para levantar assuntos para temas das reuniões no ano de 2023. Um dos temas é o de continuar atuante nos municípios com o Plano de Segurança da Água. Cassiana solicitou aos participantes que enviem sugestões por e-mail.

CT-EA discute Plano de Trabalho para 2023

Na reunião, houve também aprovação de dois novos membros

6 de dezembro de 2022

O Plano de Trabalho para 2023 foi um dos principais assuntos discutidos durante a 115ª Reunião Ordinária da Câmara Técnica de Educação Ambiental (CT-EA). O encontro foi realizado nesta terça-feira, dia 6 de dezembro, por meio de videoconferência.

O Plano de Trabalho de cada câmara técnica é dividido em três categorias: A: demandas da Secretaria Executiva; B: temas para discussão e C: eventos. Na reunião da CT-EA, a coordenadora Ana Lúcia Floriano Rosa Vieira promoveu as discussões sobre os itens de cada categoria entre os participantes.  As ações previstas podem ser conferidas na Deliberação dos Comitês PCJ 392/21.

Um dos principais temas da CT-EA, segundo Ana Lúcia, é a Educomunicação. “É um tema recorrente, que entra em tudo que a CT-EA promove”, destacou. Na reunião, também foram discutidas ações do Planejamento Estratégico, que estão sob a coordenação da CT-EA.

Ana Lúcia ainda destacou que, em 2023, a CT-EA vai abrir consulta pública para contribuições para a Política de Educação Ambiental dos Comitês PCJ. A câmara técnica vai elaborar minuta da Política para encaminhamento para a CT-PL no segundo semestre do ano que vem. Sobre este assunto, os interessados podem assistir o webinar “Um olhar sobre a Política de Educação Ambiental dos Comitês PCJ”, realizado em 28 de setembro; e a oficina sobre o mesmo assunto, realizada em 29 de setembro. 

A coordenadora também falou sobre o Seminário “Jovem Vem para o PCJ”, que a CT-EA vai realizar em outubro de 2023. “Por favor, contribuam nesse processo, tanto no planejamento quanto na divulgação”, comentou.

Na reunião houve também a aprovação por unanimidade de dois novos membros: a Associação Remo Piracicaba, com José Valdir Lopes Junior (titular) e Rafael Fernandes Sgarbiero (suplente); e a Prefeitura de Santa Maria da Serra, com Alisangela Spigolon (titular) e Erica Aparecida Carmezini (suplente).

A apresentação do município anfitrião dessa vez ficou por conta de Jundiaí, com Claudia Debroi de Campos, que falou sobre o  Parque Mundo da Criança, onde está tendo a exposição Zoo Urbano. “São esculturas gigantes feitas com material reciclado”, explicou Claudia. “É uma maneira de a gente se inspirar, na nossa localidade”, ressaltou Ana Lucia. “Conheço o Mundo da Criança. É realmente um espaço incrível tanto pela presença da natureza como pelas atividades propostas para adultos e crianças. Vale a pena conhecer. Parabéns ao município de Jundiaí pela proposta”, comentou Paula Trambaiole Lima.

CT-MH realiza primeira reunião após encerramento do período seco

Cota de descarga do Sistema Cantareira foi consumida quase na totalidade sem necessidade de volume extra

5 de dezembro de 2022

Na manhã de segunda-feira, 5 de dezembro de 2022, foi realizada a 236ª Reunião Ordinária da Câmara Técnica de Monitoramento Hidrológico, por meio de videoconferência. Este foi o primeiro encontro ocorrido após o início do período úmido, visto que em 30 de novembro foi encerrado o período seco de 2022.

Logo no início dos trabalhos, Alexandre Vilella, coordenador da CT-MH traçou um balanço sobre a utilização da cota de descargas do Sistema Cantareira às Bacias PCJ. “Se a cota prevista de 158 hectômetros não fosse suficiente seria necessário utilizar cota sobressalente. No entanto, após várias tratativas e em 22 de novembro houve uma comunicação via ofício da ANA e Daee, informando que diante dos fatos, como houve chuvas significativas, não haveria a necessidade de cota extra. Consultado os Comitês PCJ, foi constatado que chegaríamos até 30 de novembro sem a necessidade da cota extra. Felizmente isso foi possível e encerramos o período seco com até uma pequena sobra dos 158 hectômetros que eram reservados às bacias PCJ”, disse Vilella.

Quanto ao Sistema Cantareira, foi comunicado que a afluência ontem era de 23m³/s. A Q Jus é de 1,25 m³/s, num volume total de 33,6%, o que enquadra na faixa de Alerta. Um ano atrás era de 25,6%, este ano o incide é 8% superior do que na mesma data do ano passado. O volume direcionada para a grande São Paulo é de 18,98 m³/s. O Qps é de 7,41 m³/s – V.U.: 29,14%.

Houve ainda a informação quanto aos comunicados anuais para as manobras de abertura e fechamento da descarga do Sistema Cantareira às Bacias PCJ que foram os seguintes: Jun a Nov/2017 – 28 comunicados – 68 manobras de abertura/fechamento; Jun a Nov/2018 – 44 comunicados – 70 manobras; Jun a Nov/2019 – 38 comunicados – 66 manobras; Jun a Nov/2020 45 comunicados – 78 manobras; Jun a Nov/2021- 46 comunicados – 82 manobras; e Jun a Nov/2022 – 39 comunicados – 70 manobras.

As medias de descarga anual no período seco ocorreram da seguinte forma (dados em m³/s): 2017: 5,71; 2018: 6,05; 2019: 8,25; 2020: 9,70; 2021: 10,00; 2022: 9,64. “Temos atendido a outorga de forma bem eficiente”, afirmou Paulo Tinel.

Ele ainda comunicou sobre o início de novos postos (realocados)em operação do rio Piracicaba em Carioba e no Rio Jaguari captação de limeira. “Os equipamentos estão sendo calibrados, e com isso todos os postos da rede telemétrica estão em pleno funcionamento com dados de vazão, precipitação e nível”, afirmou o coordenador.


Na sequência, Jorge Mercanti (GT-Previsão) apresentou os dados climatológicos com foco especialmente na área da abrangência das Bacias PCJ. “Continuamos com uma frente estacionária que deve progredir com uma frente fria para a região sudeste do brasil especialmente entre terça e quarta-feira. Os modelos preveem chuva principalmente nos próximos dias, e depois, não que seja uma frente fria, mas há previsão de queda nas temperaturas. As mínimas caem. Há ventos no fim de tarde. O acumulado de chuva nos últimos dias foi de cerca de 60mm de chuvas no posto de medição de Campinas. Depois disso, de 8 a 11 de dezembro, há previsão indica estabilidade nas condições climáticas”, disse Mercanti.

Ao término do encontro foi informado que a próxima reunião da CT-MH ocorrerá em 12 de janeiro de 2023 por meio de videoconferência.

CT-RN realiza primeiro encontro presencial do pós-pandemia

110ª Reunião Ordinária da CT-RN foi realizado no Museu da Água de Indaiatuba

2 de dezembro de 2022

Com o objetivo de reafirmar as ações relacionadas a conservação e proteção dos recursos naturais, foi realizada de forma presencial, no Museu da Água do SAAE de Indaiatuba, a 110ª Reunião Ordinária da CT-RN Câmara Técnica de Conservação e Proteção de Recursos Naturais dos Comitês PCJ. O encontro foi o primeiro do período pós-pandemia.

Entre os temas debatidos, conforme a pauta, foram apresentados os informes da coordenação da CT-RN, dos membros, da Secretaria Executiva dos Comitês PCJ, bem como foi discutida a manutenção do calendário de reuniões dos GTs situados sob a guarda da CT-RN, que são os GT-Mananciais, GT- Áreas Protegidas e GT-Indicadores e Monitoramento). Houve também a aprovação da minuta da ata da 109ª Reunião do GT-RN, realizado no mês de outubro, e por fim a apresentação dos membros da CT-RN, focando na integração dos participantes, sendo este o primeiro encontro presencial do pós-pandemia.

Na sequência houve um debate do plano de trabalho da CT-RN, com foco no balanço das atividades e a perspectivas. Todo o encontro foi mediado por João José Assumpção de Abreu Demarchi (coordenador) e Miguel Madalena Milinski (coordenador adjunto).

Por fim, foi informado que a próxima reunião da CT-RN ocorrerá em 01 de março de 2023, no município de Nazaré Paulista, quando haverá uma proposta para o Projeto de Semeando Água (Sistema Cantareira).

CT-SA conclui criação de GT para análise de empreendimentos

Grupo vai auxiliar no processo de seleção referente ao Orçamento de 2023

1º de dezembro de 2022

A Câmara Técnica de Saneamento dos Comitês PCJ concluiu nesta quinta-feira, dia 1º de dezembro, a criação de um Grupo de Trabalho para análise de Empreendimentos (Pleitos da Seleção Fehidro 2023). A definição ocorreu durante a 111ª Reunião Ordinária CT-AS, realizada por meio de videoconferência.

Entre os integrantes do GT estão o coordenador da CT-AS, Mateus Bento Batista Arantes (Prefeitura de Louveira); o coordenador adjunto, Luís Eduardo Gregolin Grisotto (ABES-SP); Maria Aparecida Carvalho de Medeiros (FT Unicamp); Renata Maria Salvador (DAE Jundiaí); Sueli Keiko Higuchi (Sanebavi); Miguel Milinsk (DAE Rio Claro); Patrícia Ferreira (Prefeitura de Louveira); Fernanda Dias Pereira (DAE Santa Bárbara);  Sabrina Rodrigues Coelho (Sanasa); Silvana Turolla Broleze (Prefeitura de Jaguariúna) e Márcio Arantes de Andrade (DAE Valinhos). A análise dos empreendimentos deverá ser feita entre os dias 17 e 19 de janeiro de 2023.

A fonte dos recursos do Fehidro são a Cobrança PCJ Paulista e o CFURH (Compensação Financeira pela Utilização de Recursos Hídricos). O edital já foi publicado e foi direcionado aos municípios prioritários conforme o Plano das Bacias PCJ 2020-2035. As inscrições foram até o dia 25 de outubro. O processo pode ser acompanhado pelo site da Agência das Bacias PCJ. O GT-Análise de Empreendimentos será responsável por analisar os empreendimentos que se inscreveram na seleção.

Entre as ações financiáveis estão: revisão de Plano Municipal de Saneamento; elaboração de Planos Municipais de Saneamento Rural; elaboração de Planos Diretores de Drenagem Urbana e Manejo de Águas Pluviais; elaboração e revisão de Planos de Controle e Redução de Perdas Hídricas no Sistema de Abastecimento de Água; obras, serviços e equipamentos visando o controle de perdas hídricas em sistemas de abastecimento.

A apresentação sobre o processo de seleção para obtenção de recursos Fehidro (Fundo de Recursos Hídricos do Estado de São Paulo) foi realizada pela equipe da Coordenação de Projetos da Agência das Bacias PCJ, através da analista técnica Karla Romão.

CT-Rural: definição de grupos de trabalho e palestra marcam reunião

150ª Câmara Técnica de Uso e Conservação da Água no Meio Rural ocorreu por videoconferência

25 de novembro de 2022

Com o objetivo de prosseguir com o debate permanente relacionado à preservação e uso da água no meio rural, foi realizada na sexta-feira, 25 de novembro de 2022, por meio de videoconferência, a 150ª Reunião Ordinária da Câmara Técnica de Uso e Conservação da Água no Meio Rural. Na pauta do encontro estiveram a criação de grupos temporários para definições de ações inerentes a esta Câmara Técnica bem como a apresentação de uma palestra relacionada ao manejo do fogo em área de preservação.

Logo no início dos trabalhos foi criado um Grupo de Trabalho em caráter temporário específico para criação de uma cartilha informativa para produtor rural sobre os critérios para atenderem a Portaria 888/21 do Ministério da Saúde que trata da potabilidade da água conforme o Plano de amostragem de qualidade da água para consumo humano na área rural. O grupo Cartilha da Segurança da Água no Meio Rural estabelecido é formado por Marcos Albertini (PM Atibaia); Denis Herisson (SAA/Cati); Ana Lucia Brasil – Relatora – (Abes-SP); Roseane Maria Garcia (Abes-SP); Miguel Milinski – Coordenador – (Daee Rio Claro e PM Rio Claro); Cassiana Maria Coneglian (CT-SAM); Dirceu Kioshi Hashimoto (Pró-Flor Atibaia); Luis Fernando Amaral Binda (Sindicato Rural Campinas); Nilton Piccin (SR Limeira); e João Baraldi (Sindicato Rural Rio Claro).

Houve também a criação do Grupo de Trabalho de acompanhamento temporário e específico para análise dos PMSR (Planos Municipais de Saneamento Rural), com a equipe da Agência das Bacias PCJ, tratando-se também um GT de caráter transitório. Os membros são: Ana Lucia Brasil; Miguel Milinksi; Denis Herisson (Coordenador); João Baraldi; Petrus Weel; Adriana Sacioto; Marcos Albertini; Paola Tokumoto (Relatora); e Adriano Luiz Tonetti.

Por fim, ocorreu a apresentação da palestra Simbiose entre sociedade civil e poder público para o manejo do fogo em uma área prioritária para a conservação da natureza: o caso do município de Atibaia, por Vinícius Gaburro De Zorzi – TNC. A Simbiose, segundo Zorzi, é uma organização que busca promover a organização entre setores e, assim, contribuir diretamente com a conservação colaborativa da Serra do Itapetinga, de seu entorno, além de influenciar positivamente a conservação de outras áreas entendidas como ambientalmente prioritárias. Com isso, almeja se tornar referência regional. desenvolvimento de projetos-que conectem paisagens ecológica, econômica, social, culturalmente, cujo impacto motive transformações políticas públicas e privadas. Após a apresentação o palestrante respondeu aos questionamentos dos participantes.

CT-PB debate orçamento das Bacias PCJ para 2023 e de 2021 a 2025

Primeira reunião presencial da CT após a pandemia foi nesta terça-feira, dia 22, em Indaiatuba

22 de novembro de 2022

A discussão sobre o orçamento das Bacias PCJ para 2023 e de 2021 a 2025 foi um dos principais itens de pauta da 97ª Reunião Ordinária da Câmara Técnica do Plano de Bacias (CT-PB). O encontro ocorreu no auditório do Museu da Água de Indaiatuba (SP), nesta terça-feira, dia 22 de novembro.

Essa foi a primeira reunião presencial da CT-PB desde janeiro de 2020, ano em que as reuniões passaram a ser por videoconferência devido a pandemia de COVID-19. Na abertura do encontro, houve uma homenagem ao secretário-executivo dos Comitês PCJ, Luiz Roberto Moretti, que faleceu em 4 de fevereiro de 2021, em decorrência dessa doença. Foi feito um minuto de silêncio.  “Essa reunião foi muito importante, principalmente por conta do tema Plano de Bacias, que é o norte do nosso comitê. Ele norteia todas as nossas ações. E também foi um momento de muita saudade, de muita falta que nosso mestre Moretti faz. Quando a gente olha tudo o que tem nos Comitês, o Plano de Bacias, a gente enxerga o Moretti em todas as ações. Ao mesmo tempo foi muito bom rever os amigos, ter momentos de conversa e descontração. Também foi o momento de muitas lembranças”, ressaltou Caroline Túbero Bacchin, coordenadora da CT-PB. “Foi importante para a gente da CT-PB. Estávamos ansiosos para esse momento. Foi importante rever todo mundo, ver que os trabalhos não pararam mesmo com a pandemia, ver que o Plano de Bacias está caminhando”, destacou a coordenadora adjunta, Raquel Eliana Metzner. 

No encontro, os participantes puderam debater sobre o andamento dos instrumentos de gestão de Recursos Hídricos, como o Plano das Bacias PCJ 2020-2035, Plano de Aplicação Plurianual das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PAP-PCJ 2021-2025), Plano de Execução Orçamentária Anual das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (POA PCJ 2023) e o Plano de Ação e Programa de Investimento (PA/PI).

A apresentação foi feita pelo analista técnico da Agência das Bacias PCJ, Diogo Pedrozo, com o apoio do coordenador de Sistema de Informações da Agência, Eduardo Léo, e do secretário-executivo do CBH-PCJ e PCJ FEDERAL, André Navarro. Na revisão do PAP PCJ, para os anos de 2023 a 2025, os recursos mais que dobraram, de R$ 42,9 milhões para aproximadamente R$ 96,2 milhões.  O POA 2023, conta com cerca de R$ 34 milhões da Cobrança PCJ Federal. E o PA/PI 2023 é formado por cerca de R$ 21,8 milhões, sendo R$ 19,8 milhões da Cobrança PCJ Paulista e R$ 1,9 milhão do CFURH (Compensação Financeira pela Utilização de Recursos Hídricos). “É muito importante a gente discutir o Plano de Bacias, ver como um Plano que a gente elaborou alguns anos atrás, a gente pode e deve melhorar continuamente. Então, a gente vê através de novas demandas de municípios, a gente vê o que temos de recursos, onde pode implantar…. É sempre muito importante essa discussão para nortear os nossos próximos passos”, comentou Caroline Bacchin.

Durante a reunião, também houve relato sobre a oficina “Metas e Ações do Plano das Bacias PCJ 2020-2035 e Oportunidade de Recursos Financeiros dos Comitês PCJ (Orçamento 2023), realizada em setembro de 2022, com a participação de 49 municípios prioritários. A apresentação foi feita por Kátia Cezarino, analista técnica da Coordenação de Sistemas de Informações da Agência das Bacias PCJ. Kátia também apresentou um balanço de execução do Parecer Técnico da CT-PB n°01/2022 e ações previstas para 2023. O parecer é referente à atualização do cronograma de atividades para a gestão da implementação do Plano das Bacias PCJ.

Houve ainda apresentação de informes gerais sobre o Relatório de Situação dos Recursos Hídricos de 2022 (Ano base 2021), feita por Diogo Pedrozo. O documento visa avaliar a implementação do Plano das Bacias na região da UGRHI 5 (Unidade de Gerenciamento de Recursos Hídricos), que é constituída pela porção paulista das Bacias PCJ.

Comitê PJ1 reelege vice-presidente

O nome escolhido é o de David Figueiredo Barros do Prado, do Melhoramentos Florestal

17 de novembro de 2022

O Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Piracicaba e Jaguari – CBH-PJ1 (comitê estadual mineiro) reelegeu, nesta quinta-feira, dia 17 de novembro, seu vice-presidente, David Figueiredo Barros do Prado, do Melhoramentos Florestal. O nome foi escolhido por unanimidade. A eleição ocorreu durante a II Reunião Ordinária do Comitê PJ1 de 2022, realizada por meio de videoconferência e conduzida pelo presidente do CBH, Sidney José da Rosa.  

Prado havia sido eleito a primeira vez na 1ª Reunião do CBH-PCJ, em 30 de agosto de 2022. A reeleição foi necessária devido à alteração de vaga do segmento Usuários de Recursos Hídricos no Plenário do CBH-PJ1 com direito a voto. Prado era suplente e agora passou a ser representante titular no segmento, através da companhia Melhoramentos.  “Na reunião anterior, a gente já tratou desse tema, agora convalidamos essa troca e a tratativa a respeito desse assunto”, comentou Sidney. “A grande meta do Comitê, no próximo ano, além do processo eleitoral, é definição dos investimentos e melhorias na bacia”, ressaltou David.

No encontro, o CBH-PJ1 também indicou representantes do Estado de Minas Gerais, nos Plenários do PCJ FEDERAL, para comporem Comissão Eleitoral para as eleições dos Comitês PCJ (CBH-PCJ e PCJ FEDERAL) para o mandato 2023-2025. O secretário-executivo do CBH-PCJ e PCJ FEDERAL, André Navarro, participou da reunião e explicou cada etapa do processo eleitoral.

Os indicados são Saulo Tarsis Paiva Vieira, representante do segmento “Municípios” (Prefeitura de Camanducaia); Sidney José da Rosa, representante do segmento Organizações Civis (Associação de Agricultura Orgânica e Biodinâmica Serras de Santana – BIOSS); e David Figueiredo Barros do Prado, representante do segmento Usuários de Recursos Hídricos (Melhoramentos Florestal). O representante do segmento Órgãos de Governo deve ser definido até 20 de dezembro.

Os participantes ainda puderam fazer esclarecimentos e obter apoio ao Processo Eleitoral para eleição dos novos representantes dos CBH -PJ1, para a gestão 2023/2027, através do IGAM (Instituto Mineiro de Gestão das Águas). O prazo de inscrições termina no próximo dia 25 de novembro de 2022. O e-mail para inscrição é o eleicao.pj1@meioambiente.mg.gov.br.

Cerca elétrica com energia solar é tema de palestra no GT-Mananciais

Grupo também discutiu sobre Termo de Referência do Plano Municipal de Mata Atlântica e Cerrado

11 de novembro de 2022

A substituição de cercas convencionais por cercas elétricas com energia solar foi tema de apresentação realizada na 66ª Reunião do Grupo de Trabalho de Mananciais (CT-RN e CT-Rural). O encontro ocorreu nesta sexta-feira, dia 11 de novembro, por meio de videoconferência.

A palestra foi proferida por Ernesto Coser Netto, da empresa Datamars, especializada em cercas elétricas. “A ideia de trazê-lo para o GT-Mananciais é para que a gente incentive o melhor uso dessa ferramenta na cadeia de restauração florestal”, explicou João Demarchi, coordenador da Câmara Técnica de Conservação e Proteção de Recursos Naturais (CT-RN). Após a apresentação, Ernesto pôde tirar as dúvidas dos participantes, entre eles, o coordenador da Câmara Técnica de Uso e Conservação da Água no Meio Rural (CT-Rural), João Baraldi.

Na reunião, os participantes também conversaram sobre a retomada das atividades do GT-SAA (Agência PCJ e Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo). O GT é responsável pela elaboração de um plano de trabalho para a parceria firmada em março de 2022 entre Agência das Bacias PCJ e SAA, que visa a proteção dos mananciais das Bacias PCJ (Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí).

Outro assunto debatido foi a reestruturação do GT-Mananciais, que busca a maior adesão e participação dos membros para avançar na atualização da Política de Mananciais. “Hoje fiquei feliz que estamos em 30 pessoas”, ressaltou Demarchi. Em 2023, o GT-Mananciais planeja fazer pelo menos uma reunião presencial. O assunto ainda será formalizado com a Secretaria Executiva.

O grupo ainda discutiu sobre o Termo de Referência dos Planos Municipais de Mata Atlântica e Cerrado. A ação está prevista no PAP PCJ (Plano de Aplicação Plurianual das Bacias PCJ) 2021 a 2025. O objeto é a contratação de uma empresa que faça uma capacitação sobre o tema, direcionada aos municípios, para que estes possam elaborar os planos.  A abertura do edital deve ocorrer ainda este ano, segundo a assessora ambiental da Agência PCJ, Marina Barbosa.

Houve ainda uma apresentação sobre o CAR (Cadastro Ambiental Rural) e o PRA (Programa de Regularização Ambiental) e seus impactos na Política de Mananciais, realizada por Denis Herrison, da CATI (Coordenadoria de Assistência Técnica Integral) da Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento.

CT-PL aprova Plano de Execução Orçamentária das Bacias PCJ para 2023

Reunião também serviu para aprovar atos convocatórios para chamamentos públicos de projetos

10 de novembro de 2022

O Plano de Execução Orçamentária Anual das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (POA-PCJ), para o exercício 2023 foi apreciado na 87ª Reunião Ordinária da Câmara Técnica de Planejamento (CT-PL). No mesmo encontro, os participantes também deram aval ao Plano de Trabalho e Proposta Orçamentária Anual da Fundação Agência das Bacias PCJ do mesmo período.  A reunião ocorreu nesta quinta-feira, dia 10 de novembro, por meio de videoconferência. Agora essas três e outras oito minutas de deliberação serão votadas na Plenária dos Comitês PCJ, que será realizada no dia 7 de dezembro.

Em relação ao POA, o valor previsto para investimentos e custeio administrativo da Agência das Bacias PCJ é de cerca de R$ 34 milhões. A fonte é a cobrança pelo uso da água em rios de domínio da União (Cobrança PCJ Federal).  O documento traz um detalhamento dos investimentos previstos para 2023. No total são 79 ações. Na área de gestão de recursos hídricos, serão investidos cerca de R$ 15,5 milhões; outros R$ 8,7 milhões para agenda setorial; R$ 8,1 milhões para apoio aos Comitês PCJ; e R$ 2,5 milhões para manutenção dos Comitês PCJ e Agência das Bacias PCJ.

Na mesma reunião, os membros da CT-PL também apreciaram dois Atos Convocatórios para Chamamentos Públicos de Projetos. Um deles na temática de saneamento, para o exercício de 2023, e o outro na temática de proteção e conservação dos recursos hídricos, para o mesmo período.  Para planos e projetos de saneamento, o período de inscrições terá início em 16 de novembro de 2022 e vai até 6 de janeiro, pela internet. Para ações de proteção de mananciais, as inscrições vão de 5 de dezembro de 2022 até 24 de fevereiro de 2023. 

Houve ainda a Indicação de área no âmbito do Programa I da Política de Recuperação, Conservação e Proteção de Mananciais dos Comitês PCJ, com recursos da Cobrança PCJ Federal. A área indicada fica em Rio Claro (SP) e pertence à Classe 5 de prioridade – “Muito Alta”, estabelecida no Plano das Bacias PCJ 2020-2035 para o tema “Conservação e Uso do Solo e da Água no Meio Rural e Recomposição Florestal”. O grupo apreciou também o Orçamento das Câmaras Técnicas (CTs) dos Comitês PCJ, para o exercício 2023; e o Planejamento Anual de Atividades (PAA) dos Comitês PCJ, para o mesmo período.

A CT-PL analisou ainda o Plano de Trabalho Anual requerido no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento dos Comitês de Bacias Hidrográficas (PROCOMITÊS), para o exercício 2023; além da apreciação de Parecer Técnico do GT-Empreendimentos nº 15/2022, sobre o empreendimento “Centro Empresarial Espaço Gaia Théia”, no município de Jarinu (SP).

Outro item importante foi a análise das atividades realizadas pelo Grupo de Trabalho “Operação Estiagem PCJ – 2022” e a decisão pela continuidade dos trabalhos em 2023. O secretário-executivo do CBH-PCJ e PCJ FEDERAL, André Navarro, destacou a importância da aprovação da continuidade da atuação do GT-Estiagem que passa a ser a perene e com diretrizes que, em virtude da aprovação, a própria CT-PL fica apta a instalar e realizar as ações da Operação Estiagem no âmbito dos Comitês PCJ. “O trabalho desenvolvido pelo GT-Estiagem é muito importante por abordar discussões primordiais, debatendo as principais ocorrências e possibilitando a atuação integrada dos órgãos gestores relacionados a essas ocorrências. Isso tudo sempre com o apoio da CT-MH para enfrentamento da estiagem, um trabalho que é fruto de uma ação integrada pelos mais diversos segmentos”, disse.  A proposta agora seguirá para aprovação dos plenários dos Comitês PCJ a ser realizada em 7 dezembro de 2022.

Reunião da CT-MH marca retomada dos encontros presenciais dos Comitês PCJ

Realizada em Jundiaí, atividade foi a primeira após mais de dois anos de reuniões apenas por videoconferência

07 de novembro de 2022

Marcando o retorno das reuniões presenciais das Câmaras Técnicas dos Comitês PCJ, foi realizada na manhã de segunda-feira, 07 de novembro, no auditório do Parque da Cidade de Jundiaí, a 235ª Reunião ordinária da CT-MH (Câmara Técnica de Monitoramento Hidrológico) dos Comitês PCJ. Durante a reunião foram apresentados os dados da situação dos mananciais das Bacias PCJ, dados das chuvas recentes e perspectivas, previsão hidrometeorológicas, bem como o debate sobre o cenário e simulações sobre o volume disponível do Sistema Cantareira e descargas às Bacias PCJ. O encontro também foi marcado por momentos de confraternização entre os membros e convidados, dada a retomada dos encontros presenciais após mais de dois anos apenas com reuniões pelo meio virtual.

O Sistema Cantareira, em 7 de novembro, estava com 32,1% de sua capacidade – estado de alerta – sendo transmitido diariamente 10,75m³/s em direção às bacias PCJ. Há um ano, a título de comparação, o Sistema Cantareira encontrava-se com índice de reservação de 28,45% de sua capacidade total. O saldo disponível anualmente, no período seco é de 158,1 hm³do Sistema Cantareira para as Bacias PCJ. A projeção da Sala de Situação é que a partir de 5/11 até 30/11, este saldo será de 0,61 hm³ disponíveis.

De acordo com Alexandre Vilella, coordenador da CT-MH, o atual momento do ano marca a transição do período seco para o úmido. “Este é o momento em que, pela última vez, decide-se pela descarga do Sistema Cantareira ao PCJ. Ação esta que é realizada sempre olhando pelas 19 cidades que se abastecem das descargas do Sistema Cantareira, mas sem nunca deixar de lado as tantas outras quase 50 que não estão diretamente ligadas ao SC”, disse. O coordenador prosseguiu em sua análise. “No dia 18 de outubro foi levado um pedido em caráter excepcional de um volume adicional caso não seja possível, até 30 de novembro, atender a demanda hídrica dentro dos volumes disponíveis na cota anual. Em meados de outubro a solicitação foi acatada por todas as instâncias responsáveis. Ocorre que, dia 19 de novembro, conforme previsão, acabaria a cota, mas felizmente houve chuvas e o fim da cota disponível que tinha uma projeção bem mais grave, atualmente está com apenas 4 dias de déficit, ou seja, o volume inicialmente disponibilizado acabaria ainda restando quatro dias para encerramento do período úmido”, afirmou.

Vilella ponderou sobre a missão dos Comitês PCJ de fazerem a gestão. “A questão do chove e para representa um desafio para a gestão do Sistema Cantareira. Somado a isso há o tempo de trânsito [da água pelos rios], chuvas isoladas, ou seja, chove em uma área, em outra não. Tudo isso demanda uma grande atenção de nosso time”, disse.

Em sua apresentação Rafael Leite, coordenador da Sala de Situação PCJ, informou que em outubro de 2022, 13 estações de medição registraram acumulados acima ou muito próximos da média histórica. “No âmbito das Bacias PCJ os acumulados de chuvas variaram espacialmente, com registros acima e abaixo da média climatológica (1961-1990). Quanto ao comportamento das chuvas, o coordenador informou que no reservatório Jaguari/Jacareí, em 2002, o índice ficou abaixo da média história, mas acima da década de 1980 a 1989. Na barragem Cachoeira a situação foi semelhante, com chuva de outubro de 2022, abaixo da média histórica e por da década. Na barragem de Atibainha destaque para as chuvas, visto que em outubro de 2022 ficaram acima da década e da média histórica. Por outro lado, o Paiva Castro teve chuvas abaixo da média histórica e por década”, disse.

Durante sua apresentação, Jorge Mercanti (GT-Previsão), informou eu há chance de chuva a partir do dia 13 de novembro na área de abrangência das Bacias PCJ. “Temos um vento vindo do sudeste, que teremos a manutenção do ar frio proveniente do oceano com chuvas fortes a tarde. Nos índices acumulados, de acordo com o CPTEC, teremos chuvas de mais de 60mm em alguns pontos das Bacias PCJ”, disse. A previsão climática indica a prevalência do La Niña até março de 2023, segundo Mercanti. De acordo com a Universidade de Columbia a tendência para o sudeste é de seca no próximo trimestres. Segundo o CPTEC, haverá tendência de chuvas abaixo da média nos próximos três meses. Na sequência Arlan Scortegama, do Simepar, informou os dados do SPI instalado na sede da Replan.

Alexandre Villella prosseguiu com suas considerações.  “Partindo do princípio que consumimos cerca de 30% do reservatório por ano, qualquer previsão que indique capacidade próxima a este índice nos acende um sinal de alerta. O que nos salvou este ano foram as chuvas de janeiro nos colocando em uma situação de menor gravidade que anos anteriores. Já gastamos até ontem 87% do que está reservado para as Bacias PCJ e ainda temos 13% do volume disponível para a descarga, conforme outorga. Até o dia 30 de novembro, fim do período seco, portanto 25 dias, colocando um consumo médio de 10m³/dia, nos restariam 1 hm³/dia. Num cenário pessimista, com zero chuva ou chuva abaixo até 30/11, necessitaríamos de 25hm³. Assim, necessitaríamos de 5hm³ adicionais, ou uma saída seria iniciar o período úmido com cinco dias de antecedência. Por isso acompanhamos diariamente esta situação e se houver necessidade, anteciparíamos o encerramento do período seco”, afirmou.

Por fim, houve a deliberação sobre as descargas do Sistema Cantareira em direção às Bacias PCJ. Os volumes continuam os mesmos já aplicados sendo: Cachoeira recebendo 6m³/s; o Atibainha permanecendo com 4,5 m³/s; e os já atuais 0,25 m³/s para o Jaguari/Jacareí. A próxima reunião da CT-MH está agendada para 05 de dezembro, por meio de videoconferência.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support