English Portuguese Spanish

Criada e instalada segundo as Leis Estaduais (SP) nº 7.663/91 e nº 10.020/98
Entidade Delegatária das funções de Agência de Água, conforme primeiro termo aditivo do Contrato de Gestão nº 033/2020/ANA.

1a_Reuniao_GTA_Macrodrenagem_Capivari

Plano contra enchentes na Bacia do Rio Capivari é iniciado pela Agência das Bacias PCJ

Estudo técnico vai elencar providências para 15 municípios da região

Um plano contra enchentes na Bacia do Rio Capivari começa a ser elaborado a partir deste mês pela Agência das Bacias PCJ, por deliberação dos Comitês PCJ. O investimento é de R$ 1,2 milhão e os estudos serão realizados pela Profill Engenharia e Ambiente, de Porto Alegre (RS) que recebeu ordem de serviço durante reunião na terça-feira (15/02/2022) com o Grupo Técnico de Acompanhamento (GTA), composto por representantes e autoridades dos municípios posicionados ao longo curso do rio. O projeto deve ser concluído em até 18 meses e está sendo gerenciado pela Coordenação de Projetos da Agência das Bacias PCJ.

O Plano Diretor de Macrodrenagem da Bacia Hidrográfica do Rio Capivari, como é oficialmente chamado, tem como objetivo reduzir progressivamente a frequência, a intensidade e a gravidade das ocorrências de inundações onde já são registradas ou nas áreas potencialmente vulneráveis. A medida vai envolver 15 municípios: Campinas, Capivari, Elias Fausto, Hortolândia, Indaiatuba, Itupeva, Jundiaí, Louveira, Mombuca, Monte Mor, Rafard, Rio das Pedras, Tietê, Valinhos e Vinhedo.

“Esse estudo vai trazer elementos para que a gente possa olhar a bacia como um todo. O plano colabora nesses aspectos de ter uma visão global sobre a Bacia, a calha toda do rio. Temos uma expectativa muito grande. Precisamos da colaboração de todos para que este trabalho seja significativo, seja importante para a vida dos nossos municípios. Espero que no final tenha solução e que, se não possa resolver de todo, que possa minimizar a situação que ocorreu neste começo de ano na região” declarou Sergio Razera, diretor-presidente da Agência das Bacias PCJ. 

Na avaliação do secretário-executivo dos Comitês PCJ, André Navarro, o estudo será uma importante ferramenta para os municípios. “Além de trazer soluções integradas de infraestrutura e ações não estruturais, o plano vem trazer dados que poderão auxiliar os municípios no planejamento urbano”, ressaltou. “Que seja um trabalho relevante e que, de fato, resolva o problema de macrodrenagem na região”, disse o vice-presidente do CBH-PCJ, Marco Antonio dos Santos.

Prefeito de Capivari, município mais atingido pelas enchentes nessa bacia, Vitor Riccomini, o Vitão, destacou a importância do plano.  “Desde 1970 Capivari sofre com enchentes. Foram quatro enchentes nesse período. A de 2022 foi a pior de todas. Este plano é um alento para que nos ajude a minimizar essa situação.  Que possamos juntos encontrar caminhos para todos esses municípios”, enfatizou. 

A justificativa para a elaboração do plano é que o crescimento urbano, com ocupação das planícies de   inundação, e o consequente aumento da impermeabilização na região, promoveram a diminuição do tempo de concentração da bacia, aumentando a velocidade de escoamento das águas superficiais em direção ao corpo d’água principal e promovendo o aumento das vazões a serem conduzidas pelos canais. Ao longo do seu curso, o Rio Capivari recebe resíduos e detritos de toda ordem, além   de   sofrer os efeitos causados por culturas agrícolas e áreas de pastagens. Outro problema é a   carência de obras de drenagem e outros serviços de infraestrutura urbana, como pavimentação e galerias de águas pluviais, que contribuem para o agravamento do problema, uma vez que promovem o carreamento de sedimentos e demais resíduos para os cursos d’água. As características urbanas dos municípios que compõem a bacia, embora bastantes distintas, também favorecem o cenário das inundações, entre outras questões.

O Plano de Macrodrenagem tem por objetivo caracterizar as causas das inundações ocorridas nas zonas urbanas dos municípios localizados na região e apresentar propostas de ações (estruturais e não estruturais) para o controle de cheias, a curto (5 anos), médio (10 anos) e longo (20 anos) prazos, nas áreas urbanas dos 15 municípios com área na Bacia do Rio Capivari. Quando os diagnósticos ou os prognósticos indicarem a necessidade, serão realizadas ações também nas áreas rurais. 

A  contratação  de  empresa  especializada  para  a  elaboração  do  referido  plano visa à apresentação de todos os levantamentos necessários, dos estudos hidrológicos e das simulações hidráulicas, bem como dos diagnósticos, prognósticos e respectivos planos  de  ação,  com  horizonte  de  20 anos,  que  viabilizem  a  definição  de diretrizes gerais de caráter regional, capazes de orientar posteriormente a elaboração ou  a revisão  de  Planos  Diretores  Municipais  de  Macrodrenagem,  adequados  à realidade de cada município e da unidade hidrográfica envolvida. Após a conclusão, cada município ficará responsável pela implantação das ações indicadas. Entre este ano e 2023, está prevista a realização de quatro seminários e uma audiência pública para discutir o plano. O primeiro seminário será no próximo dia 15 de março. 

BACIA DO CAPIVARI

A Bacia Hidrográfica do Rio Capivari possui 1.568,34 km². Com cerca de 200 quilômetros de extensão, o Rio Capivari é um afluente da margem direita do Rio Tietê, cujos principais afluentes são os Ribeirões Sapezal, Piçarrão, Areia Branca, Água Choca e Capivari-Mirim. Suas nascentes localizam-se a 750 m de altitude, na Serra do Jardim, no município de Jundiaí. 

Tags

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support